Por entre copos de bebida, sorrisos amarelos e sonhos lúcidos [parte 2]

(a parte anterior você encontra aqui)

22:20

Ainda deitado na cama. Bebe mais um gole daquilo. Os fones de ouvido fazem ecoar por aquela mente perturbada alguma música. Desejo louco de sair, de vestir determinada roupa e se perder por entre copos cheios de álcool, diante de sorrisos amarelos e sonhos lúcidos daqueles pseudo bares cults da Savassi.

Sair sem hora para voltar, sem rumo, sem nome, amigos e endereço. Então seus olhos se abrem e ele se lembra que não tem dinheiro para o taxi, que não teria capacidade de conversar com desconhecidos por muito tempo (e se teria, isso seria irrelevante), e que a roupa não está limpa.

Suas mãos ficam tremulas, a respiração rápida. O ar que sai pelas narinas se aquece. Os olhos doem de tanto dormir tentando esquecer o mundo.

Com raiva o fone de ouvido é lançado contra a parede. “Dane-se, ele está na garantia mesmo.” Suas pernas  pedem movimentos, sua mente implode em pensamentos, rostos, olhares, frases. A lembrança de palavras que jamais existiram, quando ele dela mais precisava e ela decidiu-se calar pepreterida no seu guarda roupa rante o sofrimento dele.

A tristeza e a agonia perante a impotência em mudar a sua situação o fazem querer chorar, mas já não lhe restam forças para chorar. Se levanta e vai até a sala cambaleando. Sua única companhia é o copo de vodca. Ao passar pela cozinha, o completa com vinho. Sabe que a mistura não é boa. Mas quem se importa?

Publicado por guilhermehmds

Guilherme gosta de História, de discutir, de estudar, de Formula 1 e de batata. Guilherme adora uma batata.

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *