#25 [versão alternativa]

Ela não queria. Ele não devia. Eles sequer tinham que estar ali. Ela sabia que era errado,. Ele queria que aquilo fosse certo.

Mentira

Ela queria. Ele queria. Como não querer? A química que entre eles rolava, fazia com que a cada segundo a vontade de beija-la aumentasse.

Nos poucos segundos em que não se beijavam, ele buscava palavras para lhe dizer o que estava sentindo. Não as encontrava. Ela tinha lhe roubado todo o seu vocabulário horas antes, ao lhe dar o primeiro beijo. E hipnotizado por aquele olhar, ele a beijava mais e mais.

Poderiam passar o dia todo ali, se abraçando, beijando mas não: tudo os fazia querer mais. A música parecia ter a batida perfeita para os embalar naquela tarde quente.

Ele a colocou no seu melhor ângulo, seus cabelos caindo, tapando parte do seu rosto. Ela, sentada sobre ele dizia que aquilo tudo ia dar merda. Ele sorri, a puxa e lhe beija, enquanto ela deitava sobre o seu corpo. Como ela estava linda.

O suor escorria pela pele. Como aquilo poderia estar acontecendo? Ele já não ouvia mais a música, já não ouvia sons. Mãos que percorriam os corpos um do outro, a mão cravada na cintura, a unha que arranha a pele a cada beijo mais caloroso.

Publicado por guilhermehmds

Guilherme gosta de História, de discutir, de estudar, de Formula 1 e de batata. Guilherme adora uma batata.

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *