#25

Ela não queria. Ele não devia. Eles sequer deveria estar ali. Ela sabia que era errado. Ele queria que aquilo fosse certo.

Mentira

Ela queria. Ele queria. Como não querer? Aquela música, aquele lugar, escuro, quente. A solidão que os rodeava, o desejo de amar. Naquele momento, o mundo parecia estar aos seus pés.

E quando seus lábios juntos não estavam, ele buscava palavras para expressar tudo aquilo que estava sentindo. Não as encontrava. Ela havia lhe roubado todas as palavras de sua boca horas atrás.

Sentada sobre o corpo dele, ela estava maravilhosa, seus cabelos caindo, tapando o seu rosto, aquele sorriso… Queria ele dizer isso, mas hipnotizado pelo seu olhar sombrio, profundo, que lhe penetrava a alma, ele só conseguia querer  o corpo dela mais junto ao seu corpo.

O suor escorre pela pele. Como aquilo poderia estar acontecendo? Ele já não mais se importava com a música, ele já não ouvia sons, ele já não sentia seu corpo. Seu corpo estava ali para sentir, ver, ter o corpo dela, nada mais.

Mãos que percorrem o corpo quase nu, a unha que arranha a pele, cravada pelo impulso do beijo ardente. Movimentos sincronizados, em busca de carinho e amor. Duas almas sedentas para dar e receber aquilo que tinham de mais precioso: Amor

Publicado por guilhermehmds

Guilherme gosta de História, de discutir, de estudar, de Formula 1 e de batata. Guilherme adora uma batata.

Participe da discussão

2 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *