As aventuras do ex-ministro da educação, as mentiras do outro ex-ministro da educação, as brigas do Ministério Público e F.B. ganhando um refresco da justiça. Tudo isso e muito mais no resumo da semana #78 do governo Bolsonaro.

Não se esquece de compartilhar esse texto com o papai, a mamãe e a titia.


The following takes place between jun-23 and jun-29


O novo ex-ministro da Educação

Weintraub foi para outro país mas ainda causa dores de cabeça para o governo Bolsonaro e todos os brasileiros. Ao longo da semana, a data da sua exoneração foi modificada. Sem a necessidade de passaporte diplomático para ser utilizado em outro país, a sua demissão foi retificada para a sexta-feira (19).

Membros do Tribunal de Contas da União veem a possibilidade de fraude nessa história. O blog considera que houve, no mínimo, safadeza dos envolvidos.

Seis parlamentares enviaram um pedido à Embaixada dos EUA no Brasil para que eles expliquem como o ex-ministro entrou no país. Há sempre a preocupação de que ele tenha saído para escapar da mão pesada de um juiz de primeira instância. O Nexo explicou o que pode acontecer com Weintraub se for o caso.

Uma certeza, porém, é que Rodrigo Maia continuará com uma língua muito afiada.

O futuro ex-ministro da Educação

Para o lugar de Weintraub foi selecionado Carlos Alberto Decotelli. Oficial da reserva da Marinha, ele foi visto com uma escolha técnica e moderada. Bem diferente dos últimos ocupantes do cargo.

Evangélico, disse que era doutor por uma universidade na Argentina e pós-doutor em outra instituição. Também teria concluído mestrado na FGV sem realizar plágio no processo.

A FGV informou que há suspeitas de que a sua dissertação teve plágios. A Universidade Nacional de Rosário informou que ele não defendeu a sua tese de doutorado. A Universidade de Wuppertal, afirmou que ele não fez pós-doc lá.

Enquanto o blog editava este post, o presidente começou a procura por outro nome para o cargo. Sua passagem no ministério, felizmente, será menor do que o tempo gasto para listar as mentiras do seu currículo. Deus tenha piedade desta nação.

Vá sem Deus

Se tudo der certo, o troca-troca de cadeiras do Ministério da Educação se expandirá para outros lugares. Há pressão para substituir o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (aquele, que está queimando as pontes construídas com o grande capital internacional utilizando as madeiras cortadas na Amazônia como carvão). Também há quem queira tirar o 4chanceller, Ernesto Araújo.

O motivo, naturalmente, é pragmatismo. Ernesto Araújo gasta mais tempo divulgando conspiração sem sentido nos organismos internacionais do que melhorando a imagem do país. Já Salles está próximo a tirar gente que cuida de US$ 3,7 trilhões do país. E há quem diga que é a esquerda que está destruindo o país.

Briga de concurseiro

O Ministério Público e a Procuradoria-Geral da República andam com todo tipo de rusga interna nos últimos dias. Na Corregedoria do MPF, uma sindicância foi aberta para entender se a subprocuradora-geral Lindora Araújo estava metida em ações ilegais dentro da Lava Jato (saudades, querida). A tentativa de obter dados sigilosos levou a um pedido de demissão coletiva de procuradores da Lava Jato na PGR.

Não é a primeira vez que a PGR, a subprocuradora-geral e a Lava Jato entram em conflito. Em abril, Lindora pressionou a força-tarefa carioca para desbloquear uma conta de Jacob Barata. Enquanto isso, em Brasília, a mesma PGR tenta retomar conversas para que o advogado Rodrigo Tacla possa delatar Sergio Moro.

E o Sergio Moro? Anda escrevendo para a Crusoé.

Pequenas notas do Quinto dos Infernos

Medium quality bait

A Política Federal quer ouvir o presidente no inquérito que apura se houve interferência no órgão. O ofício foi enviado para o STF e, até a última verificada do blog, está sob análise.

Quando o presidente é ouvido como vítima ou testemunha, ele pode depor por escrito. Segundo o ministro Celso de Mello, porém, isso não vale para o caso de Jair, que é acusado. Aguardamos com carinho Bolsonaro falando no free style.

Por que isso é importante? Além do vídeo que coloca Bolsonaro em uma situação bem delicada, a sua fala pode prejudicar gente importante do governo. Isso vale especialmente para a vivandeira e ministro Augusto Heleno, que passou pano para Bolsonaro quando prestou o seu depoimento mesmo que tenha feito coisas que possam prejudicar a defesa do chefe do Executivo.

Saneamento é básico

Todo mundo sabe que saneamento é básico. Mas no Brasil, ele não é uma realidade para metade da população. Na última semana, porém, mudanças regulatórias foram aprovadas para talvez, quem sabe, mudar esse cenário.

O Senado aprovou o novo marco legal para as políticas da área. Ele permite que empresas privadas prestem serviços e facilita a privatização das estatais do setor. Mas não obriga ninguém, literalmente, ninguém, a fazer isso (mas se for viável, é legal fazer).

O objetivo do novo marco é garantir que mais de 90% da população nacional tenha acesso a coleta de esgoto e tratamento de água potável até 2033. Se tudo der muito certo, há ainda a possibilidade de R$ 700 bilhões serem feitos em investimentos e de que 700 mil empregos sejam gerados nos próximos 14 anos. Mas depende do esforço de governos, órgãos de fiscalização e bons gestores públicos e privados para que isso seja feito.

O blog acha difícil que isso ocorra, mas há muita gente querendo colocar as suas cartas nessa mesa. Como não há desenvolvimento em um país com esgoto a céu aberto, o blog espera estar errado.

Quando o Natal chega mais cedo

Já dizia a música, quem acredita sempre alcança. E Flávio B. alcançou o seu foro privilegiado no caso das rachadinhas. A decisão foi dada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que considerou o cargo ocupado pelo atual senador como desculpa para tirar o caso da primeira instância.

O juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da primeira instância, foi o responsável por quebrar o sigilo bancário do senador e mandar prender Fabrício Queiroz. O caso saiu do seu gabinete, mas as decisões seguem válidas.

A decisão causou estranheza no STF. Para o supremo, o direito ao foro termina com o fim do mandato. Se o Ministério Público recorrer (e manter a sua imagem intacta nessa história), caberá à suprema corte a decisão sobre o tema.

Falando no Ministério Público, o órgão deve denunciar o senador F. Bolsonaro nos próximos dias. Flávio entrará em uma lista com outro político, também acusado de executar o mesmo esquema. O outro nome, porém, não é filho do presidente da República.

Curiosidades: se Sergio Moro tivesse seguido as ideias do TJ-RJ, Lula não seria julgado em Curitiba.

Pau que nasce torto, na marra se endireita

Quem gosta de democracia não deve ficar feliz apenas com o resultado do Datafolha. A justiça e o cenário externo está moldando Bolsonaro na base do medo e da grana. E, por hora, está dando certo.

Até segunda ordem, só uma minoria bastante barulhenta quer ver a nossa democracia ruir. 15% da população, para ser mais exato. Talvez será preciso mais do que um soldado e um cabo para fechar o STF.

Bolsonaro não anda tendo dias bons. A maioria dos mais ricos já reprova o seu governo. Os mais pobres que apoiam, em geral, fazem isso apenas pelo auxílio emergencial.

No exterior, há grupos de investimento loucos para ver ministros caírem. E se já não bastasse o presidente argentino, Bolsonaro também corre o risco de ver um velho branco democrata morando na Casa Branca ano que vem. Até mesmo os militares pararam de sonhar com a volta dos anos de chumbo.

Sai feliz o Centrão, fica triste o olavismo cultural e sai feliz, como sempre, o blog. Ver reacionário enfraquecido é melhor do que uma barra de goiabada cascão.

E agora para algo completamente diferente

Se estivéssemos em pandemia há mais tempo, Queiroz seria um ótimo exemplo do que não se fazer. O ex-assessor do filho do presidente recebeu a sua mulher várias vezes enquanto morava na casa de Frederick Wassef. Diz uma advogada que ele passou a morar lá em maio de 2019.

Antes de mudar o CEP para Atibaia, Queiroz também morou em outro apartamento de Wassef. Nesse caso, em um imóvel em frente à uma praia localizada em Guarujá, no litoral paulista.

A julgar pelo poder da fábrica de notinhas na imprensa e pequenos recados para amigos de bandidos, é melhor Bolsonaro (qualquer um deles) seguir o conselho de seus amigos e buscar um bom advogado. Ou advogada. O blog não liga para essas coisas.


Todos os posts da série estão disponíveis aqui.

Escrito pelo Guilherme e revisado com a ajuda da Ninna. Qualquer erro pode ser apontado diretamente no meu Twitter ou até mesmo no meu Curious Cat.

Publicado por guilhermehmds

Guilherme gosta de História, de discutir, de estudar, de Formula 1 e de batata. Guilherme adora uma batata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *