Sobre o porquê de Malha Funk ser uma obra-prima da música universal.

Nota: oi, meu nome é Vitor e eu sou um babaca o novo escritor do Alô PF!, me dêem boas-vindas e esse tipo de coisa. Posso ser encontrado pelas internets no Twitter @vitorlol_.

 

Toda música necessita de um prólogo, algo para introduzir o ouvinte a uma realidade que, eventualmente, não é a sua.

 

Esse é o malha funk,

os moleque são dengoso.

 

Necessita, também, de um mote, um motivo para a música existir.

 

Vem pra cá, tchutchuca linda,

os moleque são dengoso.


No momento que esses dois elementos básicos já estão presentes na música, o artista se vê livre para escolher entre uma gama enorme de opções para dar continuidade à história que a obra quer contar. Entre essa infinidade de opções, pode-se escolher uma bem simples: mostrar um episódio do cotidiano sob a ótica de um estudioso no assunto, como um sociólogo da FUNAI em meio aos índios ou um estatístico gaúcho entre um ambiente universitário estadunidense (qualquer relação com a realidade é obra de comunistas subversivos). É claro que tudo isso se utilizando de recursos linguísticos e sonoros muito sofisticados.

 

Vira de ladinho, ãh, ãh,

levanta a perninha, ãh, ãh,

descendo e subindo, ãh, ãh,

tô perdendo a linha.


É claro, uma boa música também clama por uma – mesmo que sutil – manifestação de emoção do eu-lírico, para que o ouvinte possa se identificar com a canção, ser envolvido e tocado (de uma maneira completamente heterossexual) por ela. É uma coisa linda.

 

Fico tarado,

quando vejo o rebolado

dessa mina eu me acabo.


Se aproveitar de descrições para que o ouvinte possa imaginar as cenas e sentir as mesmas coisas que o eu-lírico vê e sente é essencial também para uma boa obra musical.

 

Ela empina o popoção,

dedinho na boca,

faz carinha de safada.

Essa minha é assanhada

e tá me deixando doidão.


Uma mensagem edificante, é claro, também é muito apreciada nas músicas. Assim, a pessoa pode, além de ter seus ouvidos agraciada por uma obra de qualidade indubitavelmente superior, levar um aprendizado muito positivo para si e para as pessoas em seu círculo de convivência.

 

Na hora do rala-e-rola

não existe preconceito.

Vem pra cá, tchutchuca linda

que eu vou fazer do teu jeito.


Andinho Malha Funk, quase um Mozart da música brasileira contemporânea, era um grande estudioso das artes musicais e, sabendo de todas essas necessidades que separam o lixo do luxo, conseguiu compor uma verdadeira obra-prima, canção esta que deveria ser estudada em todas as grandes faculdades de música do mundo e até do universo. Esse gênio, que é geralmente desgostado e criticado pelos autodenominados “cultos” deste mundo, deveria receber uma cadeira na Academia Brasileira de Letras, ao lado dos grandes nomes da literatura brasileira, como Machado de Assis, Érico Verissimo e Andrezão do Molejo. Obrigado pela atenção e até mais.

 

 

Post scriptum: eu escrevi este texto ouvindo Helloween.

O time está completo

Olá amigos deste blog em constante crescimento. Hoje venho por meio desta fazer um grande anúncio!

Se você for uma das 37 pessoas que visitaram este domínio nas últimas horas (para vocês  verem como é a nossa situação), devem ter notado uma pequena diferença naquele widget dos autores na barra direita do blog. Pois é amigos, agora temos no nosso cast o metaleiro headbanger mais legal de todo o Twitter: @vitorlol_!  Isso mesmo, Vitor Rere Kombi agora escreve para nós. Fiquem ligados pois muitas emoções estão por vir.

Mentiram para você sobre os seus 18 anos

Pois bem amigos, eis que este que vos escreve se torna hábil a ser preso. Dia 8 de novembro eu enfim atingi a maior idade, a idade mais desejada por qualquer homem.

Agora, já posso comprar Playboy, ir ao prostíbulo (após ler o manual de uma bela ida ao puteiro neste lindo blog), comprar cigarros e ser preso por comer a filha da vizinha outras coisas que eu sempre fiz antes, mas são proibidas para menores.

O post de hoje, aliás, fala sobre como eu cheguei aqui. Segue lendo!

Eu cresci agora sou [mulher] maior de idade então vem andar na minha moto comigo, sua linda

Expectativa vs realidade

O grande problema dos 18 é o tempo que vem antes dele. Já diziam na internet sobre  a espera pelos 18 anos:

aos 13 anos de idade, eu achava que a maior vantagem de fazer 18 era comprar revistas Playboy sem medo de ser feliz; aos 14, poder chegar na sala quando meus pais estivessem assistindo televisão e falar “olha, vou mijar nessa porra aqui” e assim fazê-lo, e nem assim eu correria o risco de passar 3 semanas de castigo sem computador; aos 15, poder entrar nos bares sem precisar de uma carteira falsa ou me equilibrar em cima do meu amigo dentro de um sobretudo pra parecer um adulto; aos 16, poder beber despreocupadamente sem precisar comprar balinha de menta quando estivesse chegando a hora de voltar pra casa; e aos 17, eu esperava simplesmente não ter mais hora pra voltar pra casa, poder sair de casa numa sexta-feira à noite pra ir a uma festa e só voltar de manhã. De uma segunda-feira. Três anos depois.”

Pois é. Não é assim. Se você está lendo esse texto e possui menos de 18, saiba que não muda nada.

Ok. A sua vida muda: normalmente, ao chegar nos 18, você está saindo do Ensino Médio (salvo de exceção no caso de você ser um vagabundo que está repetindo a oitava série pela terceira vez só para pegar as meninas da sexta série e roubar comida dos garotas da quinta série) e te sobram duas opções: ou você entra em uma faculdade ou trabalha.

Sim, você vai ter que trabalhar SEU VAGABUNDO

Eu, como criança visionária que sempre fui, comecei a trabalhar aos 14 anos. Na verdade foi aos 12, mas não queremos que meus pais ninguém aqui seja preso por trabalho infantil não é mesmo?

Trabalhar é uma das experiências mais interessantes a um jovem. Não há nada melhor que receber ordens o dia todo de uma chefa gostosa e de um superior velho e rabugento o mês inteiro por meio salário mínimo, tudo isso tendo os seus estudos prejudicados no meio tempo.

Pena que isso tudo não é verdade. O meu trabalho era em um lugar maneiro (um hospício) com gente maneira que me dava exemplares da revista Sexy no seu aniversário.

Sim, a parte da chefa gata é verdade também. E das colegas de serviço gatas TAMBÉM. Não podemos esquecer a parte em que eu dava uns beijinhos na minha superior ao final do dia e tentava conseguir um emprego depois do término do meu contrato (infelizmente ela queria apenas usar e abusar do meu corpo novo, sadio e malhado).

[pausa para as lágrimas]

A era dourada

Existem outras coisas que acontecem durante a longa caminhada que separa homens de moleques com fraldinhas. Ao entrar na primeira série, tudo o que um garoto quer é ter a maior quantidade possível de tazos, cartas de Yu-Gi-Oh!, o melhor disco de Deyblade, ou a última moda lançada pelo desenho que a globo costuma passar antes da TV Globinho terminar.

Já na terceira série, tudo muda. Status nessa época não é “algo que você compra com o dinheiro que você não tem para mostrar para alguém que você não gosta aquilo que você não é”. Status é você ter o tênis do Ben 10 com duas molas amortecedoras e relógio com raios laser totalmente de grátis (sim, o erro é proposital).

Essa estileira sempre foi necessária para um menino ganhar todas as gatinhas do bairro enquanto foge dos “grandalhões” da quarta série (que fogem dos grandalhões da oitava quando chegam na quinta série e mudam de turno).

O ensino médio e a busca por sexo

O ensino médio chega e você vira uma pessoa com responsabilidades. Não existe experiência melhor do que fugir da aula (privilégio que só existe para quem estuda fora de casa) para pegar garotas. Pena que eu jamais fiz isso para pegar garotas e sim para me enturmar por ser um nerd sem vida, um forever alone.

Quem não se lembra daquela ida ao puteiro no primeiro ano, sozinho, após um dia longo de trabalho e aula, morrendo de medo de ser pego pela policia, causando danos a moral e a honra da sua família que nunca antes na historia desse país algum jovem punheteiro causou? Eu lembro.

Aos 15, você só pensa em bater punheta a tarde toda para a garota gostosa do terceiro ano (ou primeiro (segundo (da sua sala (vamos admitir que nessa idade você só quer transar muito)))) que nunca irá te pegar, e sim aproveitar você para pegar cola na hora da prova, usando dos seus belos atributos pessoais (e que atributos).

Todo mundo sabe que nessa época você só consegue comer o urso da irmã mais nova (que misteriosamente aparece com um buraco no rabo – literalmente – após ela o ganhar no dia dos namorados (sim, a sua irmã mais nova consegue sexo, você não. Aceite isso e conviva com essa realidade até ser pai), mas seus amigos não precisam saber disso.

Os seus amigos, aliás, também não precisam saber que você perdeu a virgindade com a garota mais feia da turma, mesmo que você passe a ter o hábito de fugir de ela a todo custo de um dia para o outro. NÃO É ESSE O MEU CASO, MAS TAMO AÍ APENAS PARA MOSTRAR O QUE OCORRE COM GRANDE PARTE DAS PESSOAS NESSE MUNDO GRANDE QUE É O NOSSO OK?

Enfim, a minha primeira vez foi um caso a parte e que eu evito contar pois ninguém acreditaria na historia. Não, ela não foi com a mulher mais gata do mundo, nem com a empregada, nem com a vizinha gostosa.

O que torna a minha primeira vez motivo de zombaria por parte de seres sem coração e incrédulos em relação ao meu compromisso com as verdades é a idade que eu tinha quando ela ocorreu: 10 anos.

Me desculpem, mas eu sou um garoto precoce com 4 ex namoradas, e várias histórias para contar (aliás, arrumei uma namorada também, mas isso é historia para contar no dia em que eu fizer 1 ano de namoro, levar um fora, etc. O fato é que ela é maneira ok? E de verdade. E mora em BH. ENFIM: To namorando seu nerd virgem).

E mesmo que a sua primeira vez dure 30 segundos, no outro dia você ira para escola e tudo que verá serão rostos como este:

Fuck yeah, você é o cara.

Lógico que para todos você terá pego a melhor mulher do mundo. Mas todos nós saberemos que é mentira.

O momento mais importante: a virada para os 18

Existem várias maneiras de se comemorar a chegada da maior idade. Os mais abastados (e solteiros) vão a puteiros com os amigos e lá se enchem de sexo, drinks caros e batata frita. Todo mundo ama batata frita.

Eu tenho namorado namorada e nenhum dinheiro. Então fui com ela a um bar comemorar com o @rafabarbosa, a @kakapunkcool mais outros cuja @ não existe ou não quero lembrar agora.

A grande verdade é que após os 18 pouca coisa muda. Agora você está mais perto daquela faze inevitável em que você só trabalha, casa, tem filhos, e tudo mais. Agora você já é um homenzinho.

Como foi a sua caminhada até os 18 anos? Conta aí.

Conto de Terror: Twitter Gold (Capitulo Um – Um convite inusitado)

Ainda estava escuro quando Alex pulou de um salto de sua cama. Estava suado por causa do da temperatura extremamente quente que fazia naquela época do ano. Odiava isso. Odiava mais ainda o fato de que, mesmo em noites quentes, não conseguia dormir sem algum tecido sobre seu corpo. Mania antiga, mania clichê.

Nem ao menos colocou o creme dental na escova e já levou violentamente as cerdas à boca. Estava atrasado e não tinha tempo para frescuras, só queria mesmo tirar aquele gosto terrível de sono da boca, e claro, chegar com bom halito no trabalho. Deu uma olhada no espelho, arrumou o cabelo com ajuda de um bom volume de gel e analisou o rosto. Mau humor.

Se tinha uma coisa que estava deixando o jovem bravo, era o novo horário que seu patrão havia imposto. Acordar as 3h da madrugada definitivamente só podia ser a forma que seu chefe havia encontrado para castiga-lo. Lembrava-se claramente da frase do diretor do escritório: “Alex, você não tem rendido nada esses ultimos dias. Culpa da internet, aposto.”. O velho jamais aceitaria a idéia de que a internet era uma ferramenta de ajuda e estimulação ao invés de obstaculo. Agora tinha que acordar como um zumbi, colocar o carro pra rodar, pois transporte publico a essas horas nem se houve falar, e ainda ver todos os amigos indo dormir após uma noite divertida em uma das redes sociais. Sim, dessa vez o Senhor Juraci acertara no castigo.

Vestiu uma roupa com pressa. Nem sequer olhou a estampa, só queria algo que fosse confortavel. Colocou as meias do avesso e nem ao menos reparou que em uma havia um simbolo da addidas e na outra a cara do ursinho poof. Era um pé das meias da sua namorada. Deu uma boa olhada na bagunça que estava sua casa e decidiu que após o trabalho, iria se aplicar em uma bela faxina. Saiu do apartamento bem devagar para o rangido chato não acordar a vizinhança. “Bem que você podeia arrumar essa porta né menino?” já dizia Josefa, a vizinha do lado esquerdo, quatro ou cinco vezer por semana. E podia jurar que antes de entrar no carro, ouviu um resmungo da velha lá do quarto dela.

O céu estava estrelado, indicando que a probabilidade do dia ficar mais quente era grande. Sem vento, sem chuva. Mas fazer o que, ao menos não podia reclamar do escritório que tinha ar condicionado.

Como chegou vivo no escritório era um mistério. O sono era tanto que ele não sabe ainda o trajeto que fez pra chegar até o Edificio Cardoso, no coração da selva de pedra. Podia jurar que cochilou no volante ao entrar numa das travessas da Av. Paulista.

Não era o único a trabalhar naquele horario. Era uma espécie de lei, que o funcionário não podia ficar sozinho no ambiente de trabalho no turno da noite, pois poderia precisar de auxilio em situações de emergência, logo o “Seu Jura” convocou também o Gilson, da criação pra ir junto com Alex. Sem entender bem o porquê, o rapaz viu Gilson sair do elevador em direção a ele com olhar mortal. Preferiu imaginar que fosse o sono também, por mais que suspeitasse que o motivo era ele, por estar sendo punido.

Gilson estava atrasado quinze minutos, o que frustrou Alex, que poderia ao menos ter feito a barba, que agora o incomodava e coçava. Quem tinha a chave da porta era obviamente o Gilson, talvez para controlar o escritório e não deixar Alex sair antes do horario ou tirar horas livres pra tomar um cafá na padaria da esquina, ou talvez fosse porque Gilson era um tremendo puxa saco. O Gilson era o tipo de cara que não praticava esportes, nem tinha físico para tal. Era miúdo, magro, com início de calvície, apesar de pouca idade. Com essas características, a unica forma de se destacar no trabalho foi puxando o saco do chefe. Uma grande fachada, pois o mesmo vivia falando mal das decisões do cara.

Antes de iniciar qualquer atividade programada, Alex entrou em seu twitter. Verificou sua timeline, suas mentions e retweets que tivesse tido. Sem muitas surpresas. Os melhores amigos, vulgo aqueles que trocam mais replies e escrevem os tweets mais geniais , já haviam ido dormir. Era hora de começar o trabalho massante.

Estava sendo obrigado a ouvir musica ruim vinda da mesa do colega. Olhou desesperado para o relógio e descobriu que só haviam passadas duas horas. Tinha muita coisa pela frente ainda.

As luzes do escritório piscaram. Gilson e Alex trocaram olhares surpresos.  Os estabilzadores de ambos os computadores ligados, começaram a estalar rapidamente. O som era tão alto e irritante que se sobrepôs a musica que vinha das caixas acusticas de Gilson.
– Por acaso está ameaçando chover? Nem percebi a caminho do escritório. – perguntou Alex pacificamente.

Gilson continuou fitando por uns istantes as luzes do teto esperando que piscassem novamente e nada.
– Não que eu tenha visto. Mas estamos sem São Paulo né?! O tempo aqui muda mais do que verde e vermelho em semáforo.

Alex ficou surpreso com a resposta sem tom de grosseria na voz de Gilson. Começava a suspeitar agora que o colega tinha medo de tempestades ou de escuro e por isso estava com a personalidade momentâneamente alterada.

Como se tivesse previsto isso, as luzes apagaram por completo e Gilson levantou-se de um pulo e correu na direção de sua mesa. Podia sentir a respiração ofegante do colega em seu ombro.
– Que estranho. Não ouço som de chuva, por que diabos as luzes acabaram? Vou abrir as venezianas e checar se é apenas no nosso prédio.
– Ah sim, porque é isso o que sempre fazem nos filmes de terror! E adivinha só, eles morrem! – disse Gilson completamente exasperado quase segurando Alex.
– Gilson. Num filme de terror as pessoas iriam checar a iluminação, e acredite, eu não sei sequer trocar uma lâmpada. Presta atenção cara, isso não é um filme de terror. Eu vou até a janela que fica a menos de três metros da gente. Se quiser ir comigo ver, tudo bem. Senão fique aí, mas para de bobagem certo?

Alex não podia ver, mas apostaria sua vida como o olhar de Gilson poderia atravessar seu coração como uma bala de revolver neste momento. O rapaz se virou lentamente, tateando a borda da mesa para se guiar, e foi em direção as grandes janelas do andar, que ficavam com as persianas fechadas. Localizou o fecho e girou para abrir. A visão da cidade de São Paulo era linda quando estava clareando o dia, mas não o suficiente para clarear os predios cinzas. Era aquele claro lá no horizonte. De repente o rapaz se dera conta de que nunca parara pra admirar a vista perfeita que possuia do proprio local de trabalho. O lugar em que passava a maior parte do seu tempo acordado.

A respiração funda do Gilson tirou Alex de seu profundo devaneio. Fitou todos os prédios vizinhos e todos tinham iluminação. Um deles até iluminação natalina já tinha. Outubro havia acabado rapido.
– Certo, então é só no nosso prédio isso. Teremos que descer e perguntar ao porteiro ou ao zelador o que houve, e se será consertado logo. Caso vá demorar, teremos que trancar o escritório e ir embora.
– Tem certeza de que temos que descer? Nesses corredores escuros? Digo… podemos cair e nos ferir nas escadas né?!
– Gilson, Tenho certeza que fora daqui tem luzes de emergência. Mas você pode ficar aqui sozinho cuidado do escritório enquando vou soz…
– Ok, vamos!

Um sorriso presunçoso estampou a face de Alex, mas antes que alcançassem a maçaneta da porta de entrada, as luzes voltaram a piscar até que se estabilizaram. Os computadores reiniciaram e tudo voltou ao normal.

Dessa vez sim Gilson pode, não só ver como sentir, o desapontamento de Alex.
Ambos sentaram novamente em suas mesas e aguardaram as maquinas iniciarem o sistema operacional.
– Hey, nada disso aconteceu certo?! Ninguém precisa ficar sabendo.
– Relaxa Gilson, não tenho nem pra quem contar isso aqui no escritório mesmo – disse Alex em meio a um suspiro cansado.

Assim que o windows terminou sua inicialização, Alex já abriu o twitter. Mesmo que não tivesse ninguém ali para ler, ele precisava caçoar de Gilson. No entando logo que fez login em sua conta, uma surpresa. Uma mensagem com letras pretas sombreadas por cima de um fundo dourado tomaram conta de toda a área do monitor do rapaz.

“Hello There. O Twitter está iniciando um novo projeto Beta chamado Twitter Gold. Pouquissimas pessoas através do mundo foram escolhidas para testar a nova ferramenta antes de tornarmos acessível a todos. Contamos muito com sua avaliação e pedimos encarecidamente que não conte a ninguém sobre essa nova versão do twitter. Sabemos que pode ser uma tarefa dificil, mas ainda queremos manter a surpresa. E equipe estará monitorando seu desempenho com a nova ferramenta para que possamos entender de que modo ela afetara a vida e o uso do twitter a partir de agora, por isso procure realmente não comentar sobre o Twitter Gold, pois se o fizer, infelizmente teremos que retirar o beneficio. Esperamos que entenda e que possa nos ajudar nessa nova fase. Com carinho, Esquipe Twitter”. Após essa mensagem de texto havia um botão azul. Alex apertou e uma animação com o passarinho azul e gordinho do twitter apareceu. Era uma espécie de tutorial animado. Basicamente não haviam mudanças na interface da rede social, apenas funções da pagina. Coisas que Alex teria que ver com o tempo. Ficou muito feliz por ter sido escolhido, apesar de não saber o porque. Provavelmente era uma escolha bem aleatória. Que sorte a sua! Ou talvez não. Como dizia a própria mensagem, seria uma tarefa extremamente dificil não contar pros amigos sobre.

~~~//~~~

O Tic-e-tac do relogio simplesmente enlouquecia Costa. Porém não podia aposentar o velho despertador por motivos obvios. Era terrivel com horarios, atraso era uma palavra constante em sua vida, sem o relogio então seria um caos. E também por valores sentimentais. Era uma velha herança, talvez a unica coisa que o pai deixara ao falecer, com exceção das dívidas, claro.

Ex detetive da policia Civil, Costa também tinha problemas para dormir. Perambulava pelo apartamento escuro na calada da noite, com o copo de uísque em uma mão e um cigarro “pirata” na outra. O charuto só fumava em ocasiões especias. Nunca abrira a caixa.

Essa noite em particular, estava pior do que todas as outras. O calor escaldante fazia com que Costa se sentisse asfixiado. Preso nos próprios pensamentos e desesperos. A falta de um bom e empolgante trabalho o deixava absorto nas lembranças. Lembranças essas que gostaria de esquecer para sempre. Ajudaria muito se houvesse um tratamento como aquele de “Brilho Eterno de uma mente sem Lembranças”, como gostaria de deixar o passado para trás. Precisava de um trabalho, mas não ficar indo atrás de maridos infiéis ou esposas vagabundas que deixavam a luxúria tomar conta de toda sua humanidade. Queria algo que o fizesse pensar, que o fizesse entreter cada milimetro de seu cérebro, cada neurônio astuto. Referências como um famoso filme de drama e a raiva de pessoas infiéis talvez assustasse e confundisse quem vê Costa por aí. Mas talvez ele seja o maior exemplo da expressão: “Os Brutos também amam”. Mas houve uma época que Costa não era bruto, mas sim apenas amor. Época longíqua. Algo que não voltaria nunca.

O telefone tocou. Como se fosse tirado de um transe psiquico, Costa se virou brucamente para a escrivaninha. Apagou o cigarro num cinzeiro em formato de crânio humano. Empurrou o copo suado de uísque e tirou o fone do gancho lentamente. Antes de responder olhou no relogio prateado em seu pulso. Cinco e meia da madrugada.
– Cinco horas, o que quer e quem quer?
– Senhor Augusto, sou Kelly do departamento de inteligência da policia federal. Creio que precisamos da sua ajuda.
– Você sabe que não sou mais policial, eu suponho.
– Sei sim senhor. Sei também o motivo que o levou ao afastamento, mas sei também que é um dos melhores. Realmente precisamos de sua ajuda neste caso. Pagaremos muito bem, e segundo a fama que o senhor construiu, acredito que vá realmente gostar desse caso, pois ele é no mínimo um grande desafio.
– Me passe o fax sobre o que se trata e eu entro em contato.
– Ok senhor, passar…

Costa desligou o telefone e inclinou-se sobre a cadeira. Aquela gente chata vivia querendo que ele voltasse a ativa. Mas ele não suportava mais aquilo. Não queria ser mandado para tarefas inuteis, tarefas que eram uma afronta a sua inteligência. Gostava de casos interessantes. E ainda assim a frustração pelo maior caso da sua vida, onde ele havia falhado ainda assombrava-o intensamente.

Vinte segundos depois a maquina de fax iniciou o processo barulhento de receber um documento. A bobina girava loucamente tamanha a quantidade de informação que estavam enviando. Após seis minutos o fax emitiu o apito agudo indicando que a transação estava completa. Costa ficou ligeiramente surpreso, a quantidade de papéis que chegaram nesse nessa transação era enorme. No entanto não era o bastante para atrair o interesse do ex-policial.

Encheu mais uma vez o copo de uisque. Sem gelo porque era coisa de viado. E pegou com muito pesar a primeira pagina do relatório. Só queria confirmar de que se tratava de mais um caso patético logo, para que jogasse toda aquela papelada na lixeira. Leu a primeira pagina com desantenção e conforme avançou pela segunda e terceira ficou imóvel. O copo de uísque pesando em uma mão e a outra deslizando suavemente pelas folhas. Fitou o vazio a sua frente com cara de surpresa. Definitivamente isso era um caso de interesse.

O telefone sôu assustando Costa. Ele pousou as paginas do relatório e o copo da mesa. Segundo toque. Levou a mão a barba densa e crespa. Umedeceu os labios e ao terceiro toque do telefone retirou do gancho.
– Quantos mortos?
– Até agora dois senhor – veio a voz linda e atraente da mulher do outro lado.
– Chego aí daqui cinco horas. Vou me arrumar e já parto.
– Errr… senhor, creio que não precise se incomodar com transporte. Ja enviamos um carro do governo para busca-lo.
– Que ousadia fazerem isso antes mesmo de eu aceitar o caso!
– Confiei no meu instinto e sabia que você aceitaria logo na segunda página.

Costa desligou o telefone na cara da mulher. Virou o uísque remanescente de uma só vez e apagou o charuto. Sentia que tinha chance de resolver dois grandes casos. E iria precisar de muito empenho nisso. Foi direto pro banho. Iria acordar de uma vez por todas agora.

Novidades no Alo PF!

Olá amigos, amigos, gente bonita, e vocês que acessam este blog. Eis que venho por meio desta, comunicar a entrada de um membro dotado de grande garbo e elegância, o senhor Alex Oliveira. Esse moreno alto e sensual que trabalha com fotografia (por paixão e profissão) e que possui 21 anos.

O Alex nasceu em Osasco mas, por curvas do destino, mora em Sorocada. Curte muito o som daquela banda que vive “linkando” sites direto do Ibirapuera, o Linkin Park, além dos irmãos mexicanos que sempre perdem na vida, os Los Hermanos.

Com referencias que passam por Stephen King, Sidney Sheldon, J.K.Rowling e André Vianco, o nosso mais novo membro entra para a delegacia de onde saem as nossas verdades. A sua primeira postagem é a de um conto de terror em que o jovem Alex vivia uma vida sem muitas emoções e novidades até o dia em que ele recebe um convite inusitado de uma rede social.

A partir daquele momento a vida dele e de todos seus amigos mudaria drasticamente. Uma a uma as pessoas ao seu redor morrem e a inteligência nacional decide intervir chamando gênios da polícia e da paranormalidade para tentar resolver o intrigante caso. Um conto onde cada atualização pode ser a de um membro a menos no mundo.

Uma salva de rolas para este que lindo que promete trazer muitas emoções ao blog com este conto que será no mínimo sensacional.

She lives on love street

Não sei são os lábios carnudos, a pele colorida na cor do pecado, o ato de hipnotizar a cada olhar, a cada passo, quando sorri, quando balança seus cabelos que na ponta pegam fogo, ou quando toca a sua pele macia, os culpados desse meu louco desejar por você, mas sei que a cada dia mais, me afundo nesse jogo no qual entrei ao te conhecer.

Como um animal que é retirado do seu habitat natural, busca com voracidade aquilo que agora, longe dela se encontra. Fera indomável que a noite sair procurando no corpo de outro alguém, algo que só ele poderia oferecer. Na sua busca incansável pelo prazer, se perde em bares, quartos das mais diversas cores, e vielas escuras para fazer aquilo que sabe de melhor: sexo.

Éter em forma de mulher. Vive amores tão voláteis quanto o álcool que flui do seu corpo para embebedar almas perdidas enquanto se alimenta do néctar destas pobres criaturas, sanando assim a sua fome.

Difícil imaginar que tão bela candanga possa possuir momentos de fragilidade, de medo, de insegurança. Mas ela tem. E sabe disso. Gosta disso. Tira proveito destes momentos como nenhuma outra seria capaz de tirar. Mas logo quer sair desse estado, de mulher apaixonada, de ser instável. Isso não combina com ela.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=k5rPR3vTL3I]

Descobrindo os setes mares por trás de três músicas de Tim Maia

Sebastião Maia, também conhecido como Tim Maia, é um artista cuja carreia não foi interrompida prematuramente, e sim abruptamente. Suas músicas balançaram o amor de diversas gerações, auxiliando pessoas a terem filhos e a curarem a dor de um fora.

Neste posto, eu pretendo realizar uma análise INOVADORA sobre três canções que muitos de nós não ouvimos da forma correta. Feito de uma maneira que nunca antes na história desse pais alguém imaginou fazer e totalmente isenta de sensacionalismo, o meu estudo traz a verdade por trás dos gritos, os bastidores da musica e genialidade alheia.

Portanto, coloque o seu fone de ouvido, dê play em uma música do sindico e confira abaixo o real significado dessas músicas do Tim Maia!

Pra que olhar 43 quando se tem ISSO?

1. Tim Maia – Sossego

Começaremos por “Sossego”, música que eu não sei quando foi lançada, e também não pretendo saber e/ou procurar. Brincadeira, foi no álbum Disco Club, de 1978.

A letra de “Sossego” demonstra uma total falta de preocupação do artista com a vida, com os bons costumes e com a necessidade de contribuir com a manutenção do Estado. Veja bem:

“Ora bolas, não me amole/ Com esse papo, de emprego/ Não está vendo, não estou nessa/ O que eu quero?/ Sossego, eu quero sossego/ O que eu quero? Sossego (4x)”

Letra simples, não? O que muitos não percebem é que esses versos mostram não só uma falta de preocupação do cantor com a moral e com os bons costumes, mas também com a contribuição para o crescimento da economia dessa nossa próspera nação.

Para além disso, Tim Maia não deixa de exibir, com orgulho, a sua recusa em obedecer ordens alheias. Um pseudo anarquista de merda, essa é a verdade.

O sorriso no olhar da criança feliz, a gente vê por aqui.

2. Tim Maia – Vale Tudo

Outra música que porta em sua letra, mensagens subliminares, com significado dúbio, malicioso, e imoral é “ Vale Tudo”:

“Vale, vale tudo/ Vale, vale tudo/ Vale o que vier/ Vale o que quiser/ Só não vale/ Dançar homem com homem/ Nem mulher com mulher,/ O resto vale”

Para a grande maioria das pessoas, esse sucesso apenas narra uma festa e as suas regras de comportamento. Para a grande maioria.

Nós não somos a maioria. Nós somos aquela minoria que sabe das coisas.

Éé por isso que conseguimos ver a verdade por trás dessa música, em que o artista demonstra um grande preconceito para com os gays, as lésbicas, os bissexuais e qualquer outra pessoa que não seja heteronormativa. Há um desejo claro em reprimir a vontade de essas pessoas sensualizarem umas com as outras.

Em contra partida, Tim Maia permite que casais heterossexuais façam o que quiserem. Um absurdo, um completo absurdo.

Não contente, ele permite que em shows, a pouca vergonha aconteça independentemente das escolhas sexuais do indivíduo. Basta conferir o momento da apresentação abaixo, em que é possível ouvir claramente que “ depois da meia noite, está liberado geral”:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=PsCGKfWOGGI]

Não vou entrar no mérito da pouca vergonha que o cantor permite, em ambos os casos, por que né?

3. Tim Maia – O Que Vem da Bahia

O que vem da Bahia? A canção homônima tenta descifrar e, claramente, faz essa explicação carregada de preconceitos. Lançada no disco “Voltou a Clarear”, a música cria a visão de uma cidade que só as mentes mais elitistas poderiam imaginar.

O estado nordestino é definido como um ambiente de drogas e perdição. Um local em que o que há de melhor é um certo produto, que muitas vezes tem qualidade assinalada pela expressão “do bom”. Não precisa dizer mais nada né?

“O que vem da Bahia iei ei/ O que vem da Bahia io io/ O que vem da Bahia ia ia/ O que vem da Bahia é do bom/ É do bom. É do bom”

O nosso maior romântico

Tim Maia foi, ao lado de Vinícius de Moraes, um eterno apaixonado. A diferença é que o segundo não era “preto, gordo e cafajeste” e tão menos se dava bem com o sexo feminino. Mas o síndico jamais desistiu de lutar contra as diversidades do destino e não se cansa de batalhar em busca de um amor maior.

tim_maia
Gata vem aqui que eu vou te seduzir

E o nosso herói ama. E como ama. Apaixona-se pela garota da janela da rua de baixo. Sabe que é difícil conquistá-la.

Mas não desiste, insiste, batalha, faz serenatas, e tudo pelo coração de sua linda. E apesar do peso, da falta de beleza, ELE A CONQUISTA, MEUS AMIGOS!

Tim Maia, sabendo da sua falta de “sexual healing”, promete amar e transformar a vida da sua musa em um verdadeiro paraíso. E mesmo se esforçando, mesmo sendo um gentleman, não consegue manter o relacionamento por muito tempo.

É largado. É traído. Vê a sua mulher subir a serra e o deixando no Boqueirão. Busca motivos para entender a derrota, o fracasso. E apesar de tudo, o nosso herói não desiste: Tim Maia sair por aí, para encontrar alguém que saiba lhe dar motivos, alguém que o faça bem mais feliz.

tim-maia-uisque
É isso que acontece depois que você se fode no amor meu amigo.

E como todos, ele se transforma em um conquistador. Frequenta micaretas, festas, bailes funk, e pegando várias cocotas. É obrigado até a dispensar algumas garotas, mesmo tendo as avisado que não é para levar a serio os romances que ele mantém, e que ele jamais prometeu algo.

Apesar de todas as decepções, nosso herói não se tornou um completo insensível, alguém que come a todos, desde o seu pai, até a sua vizinha. Tão menos é desejado por suas primas.

Tim Maia não nega suas raízes romântico modernas e se apaixona novamente, mas dessa vez, com a certeza de que o amor é uma caixinha de surpresas e que a qualquer momento ele pode encontrar uma infeliz que o fará sofrer novamente.

E você, é romântico? Conta pra mim, internauta.

[lembrando que qualquer semelhança deste post com a sua vida é apenas uma semelhança triste (ninguém aqui mandou você ser idiota)]

Teoria pósmodernoromanticoboemia sobre o amor 1.5

Aí você me pergunta o motivo da demora na postagem de textos decentes (afinal eu lotei isso aqui de “textos tapa buracos” nos últimos dias). Simples: estava eu trabalhando na construção dessa maravilhosa teoria, tentando estudar e fazendo coisas mais importantes que postar aqui (e daí que eu não estava conseguindo pensar também em nada muito legal para escrever, mas enfim, vamos à teoria).

Filosofando com o pessoal aqui da delegacia (ou você ainda acha que o título do blog vem mesmo do meme “ALÔ PF” ???) sobre amor, chegamos à conclusão de que existem três maneiras de se amar alguém: por sentimento, por tesão, e por dinheiro. E é sobre isso que falaremos hoje, queridos bastardos!

O amor sentimental

O amor por ~sentimentos~ é, na minha opinião, o pior de todos os tipos de amor e também o que é escolhido quando atingimos a puberdade e começamos a ir atrás de gatas [só gatas] para a prática do coito (ou não né, você pode ser esperto e pular logo para o amor pelo ~tesão~, vai saber), e acreditamos que o amor é um misto de Malhação ID, novela das oito e comédia romântica.

Mas não é isso o que acontece irl (sigla para in real life, ou “na vida real” para os leigos), já que no final das contas, você sempre se fode no final. Não que isso não aconteça nos outros casos, mas é que neste o prejuízo é maior (e vou explicar os motivos durante o texto, apenas fique calmo e continue lendo).

Mas como você é uma mula, eu tenho certeza que você não entendeu direito como é o amor por sentimento e, como eu tenho um compromisso com a verdade e a divulgação do conhecimento, eu vou te explicar melhor esse tipo de amor. ENTÃO PRESTE BASTANTE ATENÇÃO, POIS EU VOU EXPLICAR SÓ UMA VEZ, OK?

Seguinte: Você se apaixona, acha que a pessoa é o amor da sua vida, em duas semanas seu mp3/4/5/6/n+1 player já está lotado de músicas românticas. Você passa a ver tudo mais lindo, seus tweets mudam (aliás, seu comportamento nas interwebs passa a ser caracterizado por toda aquela caralhada costumeira de quem está apaixonado, as quais eu não a listarei aqui, ok?!).

Mas quando você menos espera, vem alguém com mais pinto, mais dinheiro, mais fama uma capacidade de conquista melhor que a tua. Essa pessa, obviamente, rouba a sua morena/loira/etc de você.

Essa é a parte em que você se fode. Nas semanas seguintes, o seu destino é uma mesa de bar. Lá vocÊ bebe todas, chora no ombro de um amigo, faz escândalo, acorda do lado de um negão depois de beber todas e promete a si mesmo jamais amar.

Esse é o principal momento em que alguns também passam para o amor por ~tesão~.

O amor por tesão

O amor por ~tesão~ nada mais é que aquele amor pelo sexo, pela carne, pelo prazer da foda. Esse é o tipo de amor em que os sentimentos são supérfluos e o que importa é pecar.

Também é conhecido como “fuck friend” (ou segundo nível da amizade colorida (que se você não souber o que é, pode se matar e sair do meu blog, pois eu não admito gente burra e sem conhecimentos práticos sobre a vida aqui)), etecetera. Relacionamentos assim se tornam bastante interessantes quando se levam em conta que a única coisa que se perde nele é o dinheiro do tetel (motel para os leigos), ATÉ PORQUE camisinha tem ~de grátis~ no posto de saúde.

Lógico que tem a parte em que você fica literalmente NA MÃO. Mas eu estou evitando citá-la em função da quantidade de piadinhas de duplo sentido que essa reflexão pode causar.

Como diria o outro, sexo casual é coisa linda de deusu. Você não fica por aí todo bobo apaixonado vendo o mundo como um fã de Restart, achando que tudo é belo e que aquele seu vizinho chato é o cara mais legal do mundo, mesmo com ele chegando em casa às 3:45 da manhã (OLHA A HORA DO DIABO AÍ GENTE!), fazendo um barulho da porra, botando os cachorros que moram em uma área de 2km ao redor para latir loucamente, quebrando a casa, tocando a pior música do mundo (algo que não é muito difícil de se achar às TRÊS E QUARENTA E CINCO DA MATINA, mas enfim) todo final de semana (pode ser usado como exemplo também o vizinho do outro lado, que acorda todos os domingos às sete da manhã, vai para o culto (ALELUIA IRMÃO) e volta às oito para tocar loucamente a tua campainha para lhe pregar a palavra do Senhor, ou então na hora do jogo do seu time favorito.

Amor por tesão é uma coisa FODA (e que, por concepção, é algo que me permite fazer mais uns 69 trocadilhos super gozados). Mas como tesão é algo que um dia acaba (se VOCÊ acha que essas coroas globais ou a Madonna estão aí pegando seus rapazotes de vinte e poucos anos bombados, que poderiam estar ganhando dinheiro para posar em revistas de conteúdo duvidoso ou atuando em filmes pornôs e enchendo o cu de porra dinheiro, por serem maduras e o caralho a quatro, vocês estão completamente E-N-G-A-N-A-D-O(A-S)). Ou um dia você fica, ou deixará alguém na mão.

Nessa hora sobram duas opções. Ou você volta a amar por sentimento, ou passa a amar em função do número de zeros a direita na conta bancaria do ser preterido.

O amor por dinheiro

Não confunda isso com prostituição. Amor pelo dinheiro é diferente de amor pago, ok? Nós não vamos incentivar o sexo pago neste blog já que isso aqui é uma casa de F-A-M-Í-L-I-A e ninguém falará dessas putaria ou ensinar a fazer elas, ok?

Amor por dinheiro é aquele que você vê na novela das oito. Aquela em que a vilã se aproxima do velhinho gagá só para pegar a grana dele, mas em uma versão menos malvadinha. Na minha modéstia opinião, esse é o melhor tipo de amor de todos, afinal de contas, DINHEIRO >> SEXO >> ALL.

Você não concorda e acha que o amor é tudo? Pau no teu cu. Você está errado e eu estou certo, e quem manda nessa porra aqui sou eu. E quem fala a verdade aqui sou eu e não você.

Com muitos dinheiros eu compro amor, carinho, beleza e felicidade (em caso de discordância favor voltar até o ultimo parágrafo e reler ele até que você se convença do oposto). OU SEJA: Ou você é o rico que se usa do feito de ter grana para ser amado ou você só diz “eu te amo” após ver a chave do carro.

A primeira opção é geralmente reservada aos feios que tem grana, já que gente bonita não precisa de dinheiro para amar (o que nos leva ao paradoxo ribossômico já que não existe gente rica feia, mas não existe gente pobre bonita, o que faz com que eu entre em contradição nesse exato momento OH MEU DEUS SOS @APLUSK É O CATAPLASMA DO PÃO DA MINHA VIDA SE EXPANDINDO NOVAMENTE NA MINHA MENTE). Já a segunda opção é feita por gente bonita e pobre. Não se pode ter tudo.

Para todos os fins, ame. Ame sempre. Toda forma de amor é válida, até as que eu não gosto.

Qual você gosta? Conta pra mim, internauta.

Revisado pelo brother Lam (ou Lhama)

Receita de Café com cachaça, melado e creme de leite

Rodando pelas interwebs da vida, encontrei uma receita que une o lindo ao maravilhoso. Confira abaixo essa receita de café com cachaça, melado e creme:

Ingredientes

  • 1/2 xícara (chá) de cachaça ou poire
  • 2 colheres (sopa) de melado
  • 300 ml de café expresso bem quente
  • 4 colheres (sopa) de creme de leite

Modo de preparo

  • Coloque numa panela a cachaça e o melado.
  • Leve ao fogo e cozinhe.
  • Mexa sem parar, por 2 minutos, ou até ferver e ficar homogêneo.
  • Retire do fogo.
  • Distribua a cachaça com melado nas xícaras.
  • Acrescente o café (que deve estar bem quente).
  • Mexa lentamente com uma faca.
  • Enquanto estiver mexendo, adicione o creme de leite em fio.
  • Sirva em seguida.

Rendimento: 4 porções.