Sobre o blog

O Notas do Pindorama é uma invenção do Guilherme. O blog foi criado em um passado muito distante sob o título de “Alo,PF!“.

Esse passado é tão distante que eu sequer lembro mais a data de criação. Mas se você voltar para a primeira página com um texto publicado, poderá ter uma noção de quando isso ocorreu.

Por incrível que pareça eu me convenci que talvez fosse uma boa ideia escrever para outras pessoas aquilo que passava em minha mente adolescente. O Guilherme lia muita bobagem na internet (ainda lê, mas as bobagens que ele agora lê são mais sérias) e tinha muita vontade de contribuir para a alimentação das bobagens na internet (em mais de 140 caracteres, no caso).

Naturalmente, as bobagens que eram pensadas naquela época são diferentes das bobagens que eu penso atualmente. Portanto, se você veio aqui procurar coisas para me condenar (ou se você é um recrutador), saiba que muito do que foi escrito não é mais o que eu acredito, mas está ali pelo registro e como uma forma de lembrar que é possível ser, no presente, algo melhor do que se era no passado.

Entre a criação desse blog e o momento em que edito este texto, eu melhorei o meu português (não tanto quanto eu gostaria), passei a frequentar uma psicóloga (saudades), aprendi várias coisas e até comecei a lidar melhor com o meu passado.

Também cresci. Cresci muito. E acredite, eu não me refiro ao número que aparece em uma fita métrica quando ela é colocada em paralelo com o meu corpo.

Por saber que eu sou incapaz de manter um blog por muito tempo (com postagens frequentes), chamei o Adriano Lepper (que escreveu meia dúzia de textos, rascunhou outros e nunca mais voltou), o Vitor (que escreveu um texto e foi fingir que tem uma namorada na internet – e também nunca mais voltou), o Alex (que passou aqui para escrever um conto de terror e foi atrás do seu sucesso profissional), e o Vinik (que escreveu um texto e já parou de falar que voltará em breve).

O blog não possui o compromisso de ser engraçado, sério, ser alimentado com novos posts de modo regular, ter uma grafia sempre correta ou conter conteúdo que seja de bom gosto. Ninguém me paga para escrever aqui e, via de regra, se pagassem eu não te avisaria (mentira).

Em outras palavras, quem paga as contas deste pardieiro sou eu, então não reclame de nada. Falando nisso, as opiniões aqui expressas representam apenas a visão pessoal do autor do texto. Elas não devem ser vinculadas ao posicionamento institucional de qualquer instituição pública ou privada salvo quando alguém deixar claro o contrário.

Também é importante registrar que, apesar de sermos donos de todo o saber mundial (e só trabalharmos com verdades), muito do que está aqui foi criado com base em situações que não representam a realidade. Em outras palavras: todos conteúdos são feitos apenas para diversão e qualquer semelhança com a realidade é apenas uma impressão sua.

Você pode reproduzir o conteúdo do blog em outros locais, aliás. Basta me mencionar antes.

Se você se sentiu ofendido com algo que está escrito aqui, o problema é seu. Mentira. Deixa o seu comentário aí na caixa de comentários que eu vou dar uma olhada assim que o WP me enviar um e-mail avisando que alguém deixou um comentário na caixa de comentários. Não quer dizer que eu vou responder ou levar a sério o que você disse. Porém, como disse uma amiga, a sua opinião é sempre importante, nem que seja para validar o que eu já pensava.

A nossa política de privacidade é listada aqui. Em resumo, eu não me interesso pelas informações que você pode me trazer.

Para fechar essa aba é só apertar “ctrl+w”. Mas não faça isso, há muito o que ler.

No mais, você pode nos encontrar no Twitter, no TikTok e no Substack.